sexta-feira, 19 de junho de 2015

Você sabe "turistar"?

Viajar acaba sendo um desafio onde nem todos estão devidamente preparados pra eles.
Pra alguns basta pegar "qualquer coisa" e jogar na mala e ir pra casa da tia na praia. Pra outros nem tanto. Se planejam com antecedência, escolhem um lugar especial, pesquisam a cultura local e a temperatura pra não levarem guarda-roupa inadequado e muito mais.
Aqui vamos dar uma idéia básica de algumas coisas que você deve observar antes de embarcar numa possível furada.




O primeiro passo antes de planejar suas férias é você se fazer uma série de perguntas pra saber se você está apto a se tornar um viajante de verdade.
Que tipo de férias você prefere, praia, campo, cidades badaladas?
Nacional ou internacional?
Gosta de fazer tudo sozinho, vai levar alguém consigo, quer fazer amizades por lá?
Quanto pode ou pretende gastar ? Um fator importante saber se pode tudo o que quer.
Você facilmente se adapta ao meio diferente do seu?

O ponto máximo dos erros numa viagem é a pessoa  não conhecer a sí mesma. Escolhe fazer um circuito"Cidades Históricas de Minas Gerais" , mas odeia comida mineira, detesta visitar igrejas...
Ou, vem pra Nova Iorque mas não suporta andar o dia inteiro, trânsito, barulho.
Eu particularmente detesto destinos da moda. Tudo que todo mundo faz não significa que vai ser bom pra você.
Me lembro da "onda" do início dos anos 90 que só se embarcava pra Cancun. Resultado, tomei birra de Cancun e com mais de 20 anos após a "febre" vou a Cancun em 2016 rsrs
Não suporto modismo!!!
E se quer aumentar as probabilidades de acerto pra fazer valer seu investimento, fuja você também.
Outra questão é não fazer atividades que não curte só porque todos fazem.
Na minha primeira viagem internacional eu cometí o erro de ir em todos os museus da Espanha e Itália (não sou fãn de museus e "todos" foi exagero, quis dizer todos do programa da agência), e quando cheguei em Paris eu me rebelei.

Se tivesse blogueiros naquela época teriam me orientando a não ir a nenhum museu até chegar em Paris pra me deliciar no Louvre. Um só, eu daria conta mesmo não entendendo aquela fila pra ver a Monalisa.
Me perdoem os fãns mas é melhor alertar aos demais do que alimentar a lista dos que não apreciam ou entendem de arte tirando fotos até das pilastras.

Você é descolado o suficiente pra mudar sua alimentação um pouquinho?  Se a resposta for não, pense antes de escolher o destino. Se é daqueles que acha que comer bem é somente arroz, feijão e bife (comida brasileira no geral), então você não é um turista nato. Fique pelo Brasil mesmo, e temos ótimos destinos pra você.
Muito provavelmente você vai ficar maior parte de sua viagem procurando restaurante brasileiro, quando achar vai dizer que não é igual ao da mamãe, e na volta das férias só vai falar disso.
Ou seja, não vai tirar nenhum proveito de uma viagem internacional.

Isso já é um indício de que não tem nenhuma capacidade de conviver poucos dias com o novo,e provavelmente com as diversidades de culturas.
Se mesmo assim insistir em ir, vá só. Você vai arruinar a viagem do seu companheiro se ele for o oposto de você.
Em outras palavras é um turista chato que acha que ser turista é tirar foto em frente a Torre Eiffel pra por no Facebook.
Ser turista é muiiiiiiiiiiiiiito distante disso.
É conhecer a cultura local, provar sua culinária, claro que tem limites pois eu não comeria cérebro de macacos na África. Mas interagir com o meio, e até tirar as fotos nas atrações famosas, e porque não?

Na minha próxima viagem que será Espanha e Portugal, nós adquirimos um aplicativo pra planejar em todos os detalhes e tê-los a mão quando precisarmos. E graças a esse aplicativo eu pude rever algumas atividades que gostaria fazer, e que agora percebo que não se encaixa no meu perfil.
Por exemplo, um jantar em Madrid com show de flamenco.
Eu adoro dança flamenca, amo comer bem (viagem pra mim e comer bem ), não sou o tipo de pessoa que fica sentada por muito tempo prestando atenção em algo, eu durmo vendo filme. Meus filhos são teen e pre-teen. Sabe o que isso significa? Eles não gostam de comer de tudo, e nem ver shows desse tipo. O custo de um jantar/show pra 4 fica por US$470,00 com duração de 3 horas.
Seria um investimento que não teria "retorno" uma vez que as crianças estariam reclamando que estão com sono. A velha e conhecida frase dos nossos adolescentes."I'm boring mom!!!"
Já fiz a imagem da tormenta e prefiro evitá-la.
Foi só eu lembrar do recital de dança da minha filha que dura uma eternidade, pra eu repensar.
Com metade desse valor  podemos fazer a mesma coisa, com menos glamour. Vamos fazer um circuito à pé pelas ruas de Madrid nos melhores bares que servem Tapas ( pequenas porções), e alguns com música e dança.
Conto todos os detalhes depois.

Segue uma lista dos erros mais comuns dos turistas:
* Não conhecer a sí próprio. Saber suas preferências, do que mais gosta de fazer, do que poderá ficar sem durante uma viagem.
* Não se planejar. A internet pode te ajudar muito nisso. Desde a escolha do destino, a compra do pacote, escolha do hotel, distâncias do hotel ao seu ponto de interesse, preço de alimentação, etc...
* Ouvir opinião de quem nunca viajou. Fala sério!!! Com tantos blogueiros de viagem no mercado.
* Não fazer um seguro de viagem. O tipo da coisa que só da valor quem precisou um dia.
Eu já adoecí na China e passei uma noite no hospital, que por sorte me custou $400,00 que pra eles foi uma fortuna! Mas não pense que se estivesse nos EUA ou Europa seria essa bagatela. Já ví casos de voltarem das férias com dívida de $20.000 dólares.
Alguns cartões de crédito cobrem uma parte, se você utilizou pra comprar as passagens, mas chequem antes com a empresa. Alguns seguros custam em média $120,00 por pessoa .
Vale à pena.
* Levar muitas malas. Um clássico. Carrega muito peso, paga excesso de bagagens, não usa tudo que levou, e vai lamentar muito tudo isso.
 Graças a Deus eu evoluí. 
* Viajar de salto alto. Nem leva pra não correr o risco de querer usar. É a maior furada. Believe me!
* Perder mais tempo fotografando do que curtindo a viagem.
Mesmo sendo blogueira e tendo que registrar tudo que faço, eu me preparo e organizo pra não perder o sentido da função que escolhí exercer. Ser um turista, profissional ou não, você tem que manter o foco. Não vale de nada gastar um dinheirão, voltar com 1300 fotos e não ter vivido nada que as lentes mostraram no seu álbum.

























Nenhum comentário:

Postar um comentário